Matadouro. 236 x 90 x 85 cm. Ferro/sucata. 283 x 112 x 150 cm. 1971

jarbas-juarez-matadouro-236-x-90-x-85-cm-ferrosucata-283-x-112-x-150-cm-1971-premio-prefeitura-de-belo-horizonte-1971

Jarbas Juarez. Matadouro. 236 x 90 x 85 cm. Ferro/sucata. 283 x 112 x 150 cm. 1971. Prêmio Prefeitura de Belo Horizonte. 1971 – III Salão Nacional de Arte Contemporânea de Belo Horizonte. Acervo Museu de Arte da Pampulha.

Outra obra premiada (III Salão, 1971) é “Matadouro”, de Jarbas Juarez em que a feitura de algum modo pode aludir à violência associada ao contexto da ditadura militar instaurada no Brasil em 1964. Inicialmente podemos ver a representação de um animal morto numa posição que indica o próprio nome da obra: “matadouro”; está abatido, não oferece resistência, há um relaxamento provocado pela morte. Ao mesmo tempo, considerando-se o momento de violência política, associa-se o animal à figura humana, pendurada pelos pés, à pessoas que foram mortas através da utilização de instrumentos de tortura. A violência na produção da obra pode ainda ser percebida na utilização de um material de difícil manipulação, o ferro, e ainda, pelos parafusos inseridos no corpo do “animal”, pela faca encravada no peito, pelas vísceras aparentes, numa possível mensagem de repúdio a um período histórico.

Juarez nos remete metaforicamente ao questionamento político, mas o resultado da obra do Salão é da mesma natureza que as situações no Parque Municipal de Belo Horizonte?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s