Questionamentos sobre as relações de condicionalidade entre proposições artísticas e o contexto político do Brasil na década de 1960 nas obras dos Salões Municipais de Belas Artes da Prefeitura de Belo Horizonte

O circuito artístico de Belo Horizonte, a partir da década de 1950, esteve associado aos Salões Municipais de Belas Artes da Prefeitura (SMBA-BH). A inexistência de galerias ou de um mercado de arte consolidou a concorrência dos Salões como a única possibilidade de conferir tanto visibilidade como reconhecimento para os artistas. Na década de 1960 ocorreu um fenômeno para as artes plásticas de Belo Horizonte que se repetiu em outros circuitos artísticos: a transformação de um salão regional em um espaço de relevância nacional.Assistiu-se a participação de artistas reconhecidos nacionalmente, proporcionando um momento de reflexão tanto para a arte tradicional mineira como para as novas possibilidades que caracterizaram a arte na década de 1960.

Leia o texto na íntegra: SANTOS, Nelyane; VIVAS, Rodrigo. Questionamentos sobre as relações de condicionalidade entre proposições artísticas e o contexto político do Brasil na década de 1960 nas obras dos Salões Municipais de Belas Artes da Prefeitura de Belo Horizonte

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s