2016

VIVAS, Rodrigo; GUEDES, Gisele. Desejos individuais – imagens de coletividade. ouvirouver, Uberlândia v. 1 2 n. 1 p. 1 68-1 79 jan.| jul. 2016

RESUMO:

O objetivo do presente texto é compreender os fatores responsáveis pelo processo de constituição, pesquisa e comunicação das coleções de arte. Posteriormente à análise de algumas instituições brasileiras – Museu de Arte da São Paulo (MASP) e Inhotim, o estudo é especificamente direcionado ao Museu de Arte da Pampulha (MAP), colocando em perspectiva os elementos caracterizadores da coleção, caso das doações empreendidas pelo mecenas Assis Chateaubriand e pelas obras incorporadas anualmente através dos Salões de arte realizados pelo próprio museu. O primeiro como fator inicial de formação da coleção e o segundo, firmado como principal alternativa para sua ampliação. O artigo versa especificamente sobre as relações existentes entre a prática museal, os aspectos de construção da história da arte e a definição do valor artístico para os objetos.


 

VIVAS, Rodrigo. Centro Cultural UFMG: curadoria e memória. In: 25 Encontro da ANPAP, 2016, Porto Alegre. 25 Encontro da ANPAP. Porto Alegre: ANPAP, 2016. v. 1. p. 79-92

RESUMO:

O presente artigo levanta duas questões que problematizam o circuito artistico e a curadoria. No primeiro momento serão apresentados os Salões de Arte da Prefeitura de Belo Horizonte como mecanismo primordial de discussão, validação e fomento do circuito artístico na capital, tema já trabalhado na tese Os Salões Municipais de Belas Artes e a emergência da arte contemporânea em Belo Horizonte: 1960-1969 (2008) e no livro Por uma história da Arte em Belo Horizonte (2012). Contudo, após o furor identificado à arte contemporânea, assiste-se, em Belo Horizonte, um gradativo esvaziamento dos Salões de Arte, assim como do circuito. Tendo em vista esse cenário, apresentaremos a proposta curatorial que tem sido realizada no Centro Cultural UFMG desde 2014 no sentido de construção de um circuito de arte alternativo a partir da realização de exposições de artistas já consolidados como também jovens artistas.


 

Vivas, Rodrigo ; Guedes, Gisele . TRADIÇÃO E DIÁLOGO: ANÁLISE DO BAIXO-RELEVO DA IGREJA SÃO FRANCISCO DE ASSIS. In: 25 Encontro da ANPAP, 2016, Porto Alegre. 25 Encontro da ANPAP. Porto Alegre: ANPAP, 2016. v. 1. p. 914-929.

RESUMO:

O presente trabalho analisa o baixo-relevo realizado por Alfredo Ceschiatti que figura como espaço interno no bastistério da Igreja São Francisco de Assis em Belo Horizonte, cuja construção data de 1943. Executados por Ceschiatti em 1944, a obra é composta por quatro painéis de bronze fixados sobre uma estrutura em formato curvilíneo que delimita o batistério. O objetivo é levantar a iconografia da cena representada, relacionando os temas tradicionalmente situados no batistério e a opção temática feita pelo artista em recusar tal tradição e oferecer uma proposta inovadora. Outro aspecto presente na investigação, considerando-a em termos de “função” e “destinação”, será compreender seu significado enquanto espaço reservado à prática do sacramento católico denominado batismo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s